Além dos perigos da pandemia, muitas mulheres no Brasil têm enfrentado também a triste realidade da violência doméstica. Trancada em seus lares com seus algozes, elas se tornam vítimas frequentes de abusos físicos e psicológicos em uma corrente de violência difícil de quebrar. Em todo país o número de denúncias crescem e o que torna tudo ainda mais alarmante é que, estando 24h por dia ao lado do agressor, a grande maioria das vítimas sequer consegue pedir ajuda. Se com subnotificação o cenário é tão sério, podemos imaginar o quanto a segurança da mulher no Brasil é frágil e o longo caminho que precisa ser trilhado ainda para que esse problema seja resolvido.

Já falamos muito aqui sobre a violência contra a mulher e, por isso, reunimos nesse post os principais tópicos que merecem atenção, seja para quem passou por uma situação como essa ou para quem ainda tem dúvidas se está em um relacionamento tóxico. Se você conhece alguém que pode estar passando por abusos dentro da própria casa, não hesite: denuncie! “Se intrometer” em um relacionamento pode salvar vidas!

Maria da Penha garante atendimento jurídico gratuito

A cada 17 minutos uma mulher é agredida fisicamente no Brasil. A cada meia hora, uma sofre agressão psicológica. O cenário da violência doméstica no Brasil é grave e a sensação, para quem se torna vítima, é de que não há uma luz no fim do túnel. Principalmente quando se avalia o último relatório do Mapa da Violência, que mostra que toda semana cerca de 33 mulheres são assassinadas por seus atuais ou antigos parceiros.

Sinais de que você está em um relacionamento abusivo

Você consegue identificar um relacionamento abusivo? Na prática, é possível identificar um relacionamento abusivo quando uma das partes passa a “dominar” a relação, usando todos os artifícios que conseguir para envolver a outra pessoa e, aos poucos, acabar com a autoestima e deixá-la cada vez mais submissa.

sabrina bittencourt

Cartilha alerta jovens sobre sinais de relacionamento abusivo

Um dos principais problemas do relacionamento abusivo é justamente notar que se está dentro dele. Com sinais nem sempre explícitos e uma atmosfera de insegurança pairando sobre quem é vítima deste tipo de relação, se desvencilhar de uma relação tóxica não é uma tarefa fácil. É preciso estar atento aos detalhes e notar os sinais de desrespeito e controle que o parceiro emite, mesmo que – como é bem comum – ele diga que a culpa do relacionamento estar com problemas é “toda sua”.

Educação financeira para vítimas de violência doméstica

A prefeitura de Vila Velha lançou um projeto inovador para auxiliar as vítimas de violência doméstica. Trata-se de um termo de cooperação com o Tribunal de Justiça do Estado do Espírito Santo (TJ-ES) e o Instituto Win para oferecer cursos e formações de empreendedorismo, gratuitos, às mulheres vítimas de violência doméstica.

violência na música

Como denunciar

A Central de Atendimento à Mulher – Ligue 180 presta uma escuta e acolhida qualificada às mulheres em situação de violência. O serviço registra e encaminha denúncias de violência contra a mulher aos órgão competentes, bem como reclamações, sugestões ou elogios sobre o funcionamento dos serviços de atendimento.

O serviço também fornece informações sobre os direitos da mulher, como os locais de atendimento mais próximos e apropriados para cada caso: Casa da Mulher Brasileira, Centros de Referências, Delegacias de Atendimento à Mulher (Deam), Defensorias Públicas, Núcleos Integrados de Atendimento às Mulheres, entre outros.

A ligação é gratuita e o serviço funciona 24 horas por dia, todos os dias da semana. São atendidas todas as pessoas que ligam relatando eventos de violência contra a mulher.

O Ligue 180 atende todo o território nacional e também pode ser acessado em outros 16 países.