Unidades de conservação sofrem invasões e ataques

Ambientalistas e defensores das causas estão sendo alvos de ameaças em função de disputas de poder

O ICMBio (Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade) enfrenta invasões, ataques e ameaças a de morte em Rondônia. Assim como outras unidades de conservação do estado, ele precisa lidar com a pressão de movimentos como a grilagem de terra e o roubo de madeira. Esse tipo de situação, que já é crítica, se torna ainda mais grave em anos eleitorais.

Na última semana, uma equipe que fiscalizava roubo de madeira, formada por sete servidores do ICMBio, quatro policiais militares e dois policiais civis, teve o caminho bloqueado após uma ponte de 20 metros ter sido destruída dentro da Floresta Nacional (Flona) do Jacundá. Também foram destruídas pontes menores e árvores foram derrubadas.

A equipe precisou usar um caminho alternativo, atrasando o retorno em pouco mais de um dia.  Ao sair, precisou contar com a proteção da PM.

unidades de conservação

Não é a primeira vez que órgãos de fiscalização e conservação do meio ambiente são alvos de ataques

Esses não são os únicos casos que afetam diretamente unidades de conservação e ambientalistas. Você vai entender de que forma acontecem os ataques e o que está por trás deles:

> O que é a grilagem;

> Veja outros ataques recentes a unidades de conservação;

> Críticas de Bolsonaro e validação.

 

Problemas ambientais: Grilagem

A grilagem de terras é a falsificação de documentos para tomar posse ilegalmente de terras devolutas ou de terceiros. O termo também se refere à venda de terras pertencentes ao poder público ou de propriedade particular por meio de falsificação de documentos de propriedade da área. O grileiro é o agente dessa atividade.

Em resumo, a grilagem é a usurpação da terra pública dando-lhe a aparência de território particular. É um dos procedimentos de ocupação ilegal.

 

Ataques recentes

Na semana passada, um terreno do Ibama cedido ao ICMBio foi invadido e loteado em Humaitá, no Amazonas, a 205 km de Porto Velho.

Em outubro de 2017, os escritórios do Ibama e do ICMBio foram incendiados por garimpeiros ilegais em retaliação a uma operação de fiscalização. Agora, mais de um ano depois, as unidades ainda não foram reinstaladas.

O ICMBio também enfrenta uma invasão de 250 pessoas na Flona do Bom Futuro, em Porto Velho. A invasão foi feita poucos dias antes do segundo turno das eleições.

 

Críticas de Bolsonaro

unidades de conservação

Bolsonaro já fez declarações polêmicas a respeito de unidades de conservação, referindo-se à causa como “ativismo ambiental xiita”

Os invasores e articuladores de ataques às unidades de conservação demonstram confiança de que serão regularizados a partir do próximo ano. A principal validação para eles é o discurso crítico do presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL).

O capitão reformado do Exército já fez reiterados ataques ao que chama de “indústria de multas” e “ativismo ambiental xiita” do ICMBio e do Ibama e afirmou, durante compromisso de campanha em Porto Velho, que o país tem excesso de unidades de conservação.

Em 31 de agosto, ele afirmou: “Aqui em Rondônia são 53 unidades de conservação e 25 terras indígenas. É um absurdo o que se faz no Brasil usando o nome ambiental”.

Após o primeiro turno eleitoral, ele destacou o mesmo pensamento que dá ainda mais validação para quem ataca defensores ambientais. “Vamos botar um ponto final em todos os ativismos do Brasil. Vamos tirar o Estado do cangote de quem produz”, em referência aos órgãos ambientais.

 

 

Leia também

Meio Ambiente a Agricultura, o que representaria esta fusão?

Conflito por terras causa o maior número de mortes em 15 anos

 

Segurança da Família

Sobre a causa

Enquanto o Estado e gestores públicos não acabam com a violência, o que resta ao cidadão? Adotar medidas de defesa, mudando comportamentos pessoais e tudo mais que estiver a seu alcance! No "Segurança da Família" você terá acesso a informações sobre como se defender e evitar a violência, além de conhecer melhor os seus direitos! Leia mais

Envie seu Comentário

− 4 = 2