Nova tecnologia pode acabar com acidentes por embriaguez

Inúmeras campanhas são realizadas todos os trânsito causados por motoristas embriagados. Mas a verdade é que, ainda assim, milhares de pessoas bebem e dirigem todos os dias, em todo o mundo, colocando a segurança do trânsito em risco.

Foi tentando diminuir essas infrações que os senadores dos EUA Tom Udall e Rick Scott deram início a um projeto inovador. Eles planejam introduzir uma nova lei que obriga todos os veículos novos a utilizar uma tecnologia que impeça as pessoas com nível alcoólico elevado de dirigir.

Pode parecer futurista, mas a tecnologia já evoluiu a tal ponto, que isso pode sim se tornar realidade. Para isso, serão necessários dispositivos embarcados no volante ou na ignição por botão para medir o nível de embriaguez do motorista.

Caso os dispositivos detectem níveis altos de alcoolismo, o indivíduo fica impossibilitado de dirigir o carro. Outra possibilidade é introduzir sensores para monitorar a respiração e o movimento dos olhos.

Os senadores planejam introduzir a legislação o mais rápido possível e, cerca de quatro anos após a aprovação do projeto de lei, instruirão o governo a trabalhar com os fabricantes de automóveis para garantir que a medida seja realizada.

Problema também existe no Brasil

Mesmo com uma lei extremamente rígida para o assunto, o Brasil também sofre com o número alto de motoristas embriagados. Durante o ano de 2017, por exemplo, o número mensal de infrações por desrespeito à Lei Seca manteve-se alto de janeiro a dezembro. No total, 19.083 motoristas foram multados por dirigirem embriagados nas rodovias brasileiras, de acordo com os registros da Polícia Rodoviária.

A Lei Seca é responsável por uma das mais rígidas penalidades para infrações de trânsito, previstas pelo Código de Trânsito, no Brasil. O valor da multa por dirigir embriagado é de R$2.934,70. Somada à multa, que é de natureza gravíssima, o condutor infrator ainda pode ser penalizado com a perda do direito de dirigir.

Sendo suspenso, o condutor deverá ficar 12 meses sem dirigir. Após o cumprimento do período de suspensão, para que o motorista que recebeu a penalidade possa voltar a dirigir, é necessária a realização do curso de reciclagem de CNH. O curso de reciclagem é composto por aulas teóricas e pode ser feito em qualquer Centro de Formação de Condutores (CFC) ou online, por meio da plataforma do CFC. Vale lembrar que esse curso de reciclagem é regulamentado pela Resolução nº 723 do CONTRAN.

A perda do direito de dirigir por embriaguez ao volante é temporária. Contudo, caso o condutor se torne reincidente na infração, pode acabar perdendo definitivamente o direito de dirigir.

Ao ter a carteira cassada, para que o condutor possa voltar a dirigir, é necessário realizar novamente todo o processo de habilitação, após o cumprimento da penalidade, que, nesse caso, é de 2 anos sem assumir o volante de um veículo.

Segurança da Família

Sobre a causa

Enquanto o Estado e gestores públicos não acabam com a violência, o que resta ao cidadão? Adotar medidas de defesa, mudando comportamentos pessoais e tudo mais que estiver a seu alcance! No "Segurança da Família" você terá acesso a informações sobre como se defender e evitar a violência, além de conhecer melhor os seus direitos! Leia mais

Envie seu Comentário

30 + = 32