O setor de eventos cresce em ritmo acelerado no Brasil. O número de programações aumenta e o de público presente, nos mais diferentes segmentos, dispara. No país, os últimos quatro anos, especialmente, foram bem movimentados para o setor.

Em 2013, a Jornada Mundial da Juventude levou 2 milhões de turistas brasileiros e estrangeiros ao Rio de Janeiro. Na Copa do Mundo de 2014 mais de um milhão de estrangeiros, sem contar os turistas nacionais, transitaram pelo país nas 12 cidades-sede. Em 2015, quase 600 mil pessoas assistiram às apresentações do festival de música Rock in Rio. Nos Jogos Olímpicos Rio 2016, a Cidade Maravilhosa recebeu 1,2 milhão de visitantes, sendo mais de 400 mil vindos de fora do Brasil.

Shows, partidas de futebol, grandes feiras, encontros e eventos segmentados. Interesses e gostos podem variar, mas as grandes multidões atraídas por essas realizações e os reflexos dos grandes eventos são sempre os mesmos. Aglomeração de pessoas em determinados espaços, caos no transporte público e nem sempre segurança proporcional aos números impressionantes de espectadores, dando espaço à ação de ladrões, que encontram nessas ocasiões verdadeiras oportunidades de agirem com furtos e roubos.

Nesta matéria você vai ver:

  • O relato de quem já teve problemas causados pela falta de segurança em grandes eventos;
  • A opinião de especialistas que dão dicas importantes;
  • Medidas de prevenção em grandes eventos de diferentes segmentos;
  • A postura tomada por organizadoras e produtoras para um evento seguro.

Quem já passou por isso: medo, insegurança e furto

A empresária e pedagoga Débora Moura de Almeida viveu uma dessas situações há pouco mais de cinco anos. Acompanhada do marido e de um casal de amigos, ela foi assistir a um show da dupla Bruno e Marrone em um rodeio na cidade de Serra Negra. O espaço era dividido em dois, de um lado uma área com diversas opções de alimentação, de outro a arena onde aconteceria o show. O acesso entre um espaço e outro, no entanto, era estreito, desproporcional ao público que transitava e com pouca ou nenhuma orientação de segurança.

“Achamos estranha a circulação do acesso e ouvimos várias pessoas comentando sobre possíveis furtos na passagem. Amarramos as bolsas embaixo do braço e colocamos por dentro de nossas blusas. Quando fomos passar, era como um grande arrastão. Homens e mulheres pegando bolsas e carteiras de quem passava, um verdadeiro horror. Assim que chegamos a um espaço aparentemente seguro, notamos que minha amiga teve sua bolsa violada e carteira e celular haviam sido furtados”, Débora Moura de Almeida.

A segurança do evento, segundo Débora, não tomou nenhum tipo de providência enquanto tudo acontecia, causando ainda mais medo: passar pelos mesmos problemas na hora de saída do evento.

“Não tinha outro acesso de saída, e ficamos em pânico com a possibilidade de passar pelo mesmo lugar. Foi aí que tivemos a ideia, ainda que bastante insegura, de pular o alambrado para sair da arena. E fomos acompanhados por outras pessoas que também estavam apavoradas”, relembra a empresária.

Atenção e prevenção são fundamentais

Ainda que seja impossível prever confusões, tumultos ou a ação de pessoas mal-intencionadas, algumas atitudes podem prevenir problemas maiores. Para a professora de Planejamento e Gestão de Eventos da graduação em Relações Públicas da FECAP (Fundação Escola de Comércio Álvares Penteado), Tânia Teixeira Pinto, medidas simples como proteger os bens pessoais mais preciosos, como documentos e celulares, podem evitar dores de cabeça em grandes eventos.

“Nunca deixe documentos, dinheiro e celulares no bolso de trás da calça. Se estiver na frente, segure sempre o celular dentro do bolso. Bolsas devem ser guardadas nas chapelarias”. Caso o tumulto já tenha começado, a prudência é importante para sair em segura. “As pessoas devem se afastar imediatamente, controlar a curiosidade, não tirar fotos e saber o que está acontecendo. Se possível, procure um segurança para informar sobre o tumulto. É importante também conhecer onde ficam as saídas de emergência assim que entrar no local do evento”, destaca Tânia.

Para eventos direcionados, medidas mais específicas também podem ser eficazes para garantir a segurança. No caso de jogos de futebol, evitar os grandes clássicos, que costumam ser, estatisticamente, os mais perigosos. Evitar o uso de camisetas de times ou da cor do time adversário, já que nos momentos da entrada e saída da partida, torcedores podem provocar brigas por este motivo.

Em caso de provocações, xingamentos ou empurrões durante o jogo, ignorar, procurar a segurança do local e reportar o ocorrido são sempre as melhores opções. Além disso, diminuir o uso de bebidas alcoólicas para maior controle das ações e emoções também é uma medida preventiva.

Nos shows é possível adotar comportamentos semelhantes e outros importantes, como sair quando a última música começar para pegar o transporte público mais tranquilo e os acessos de saída mais livres. Caso não seja possível, permaneça no local ao término da apresentação para sair após a multidão.

Organizadores devem redobrar cuidados

Ainda que seja de extrema importância a postura de prevenção e atenção do público, os organizadores devem focar totalmente na segurança ao produzirem um evento. Produtora da Zero13, empresa que organiza shows e eventos, Bruna Pereira explica que além de paramédicos e ambulância sempre de prontidão, segurança especializada e bem treinada é sempre a grande preocupação e prioridade na montagem de um evento.

“Na portaria do evento também é fundamental pensar no responsável, que deve agir com agilidade e evitar ‘empurra-empurra’ e outros tipos de confusão, Procuramos profissionais treinados para saberem agir e evitar tumulto e brigas. O número de seguranças deve ser  proporcional ao público e precisam estar atentos para ajudar no que for preciso”, Bruna Pereira.

Não permitir a entrada de objetos que possam ser utilizados como arma, como guarda-chuvas, pau de selfie, objetos de vidro ou cortantes e produtos inflamáveis também são posturas adotadas pela produtora em seus shows.

Embora seja difícil prever confusão, tumulto ou desastre, é possível evitar algumas situações estando em estado de atenção pleno, sem uso de drogas ou bebidas alcoólicas, o que facilita a tomada de decisão e a fuga para áreas de segurança. Ao decidir ir a um grande evento, procure sempre pesquisar sobre a organizadora, conhecer o local com antecedência para saber mais sobre facilidade de acesso, transporte público e, principalmente, sobre a segurança para aproveitar a experiência da melhor forma possível.